OMO e o marketing ideológico da esquerda militante

OMO lança campanha baseada em ideologia de gênero e recebe uma chuva de negativações nas redes sociais

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Caso OMO: Quando será que as grandes empresas vão parar de confiar o valor de suas marcas a publicitários excêntricos, cujos valores são opostos à da maioria esmagadora da população?

Não faz muito tempo que a Amazon deu um enorme tiro no pé ao se posicionar contra o projeto Cidade Linda do Dória, que removeu a pichação das ruas de São Paulo e antigos murais grafitados, já em decomposição. Aproveitando o momento aparentemente crítico, a empresa decidiu divulgar o produto ‘kindle’ projetando frases sobre os muros pintados de cinza, dizendo que estava “cobrindo o cinza com histórias”. Em seu marketing ideológico, a Amazon estava se posicionando à favor dos pichadores e vândalos, servindo aos valores do marxismo cultural.

Assine o Blesss
Assine o Blesss

Acontece que – ao menos neste sentido – a população estava com o prefeito e não com os ideólogos, e a resposta veio na forma de milhares de negativações no vídeo da campanha, e levou a Amazon a perder muita grana, que é uma das piores coisas que podem acontecer em uma empresa multinacional.

Agora é a vez da Unilever meter os pés pelas mãos e fazer o seu próprio marketing ideológico, indo na contramão da opinião popular. Passadas apenas algumas semanas da intensa rejeição às manifestações supostamente artísticas relacionadas à erotização infantil e à ideologia de gênero, a marca OMO tem se esforçado para compartilhar do mesmo destino do banco Santander ou do Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Veja que marketing mais absurdo: Em plena Semana da Criança, o comercial da marca resolveu não falar mais de crianças se sujando de tanto brincar no quintal de casa, nem de bebês que derrubam macarrão na roupinha. Eles escolheram lutar pelo direito dos “meninos trocarem fraldas de bonecas”. Resolveram trocar o mundo real, inocente e popular, pela fantasia de ideólogos de gênero, facilmente desbancada pelo bom senso e pelas neurociências.

É evidente que, por questão de justiça, é preciso deixar claro que dessa vez trata-se apenas de uma opinião equivocada. Não há ali um homem com a genitália de fora sendo tocado por uma criança, nem hóstias pichadas com termos de conotação sexual. É só a tolice de alguma mente publicitária muito engajada, e de executivos incompetentes que preferiram dar atenção a eles e não aos valores do público que compra sabão em pó.

Esse tiro no pé midiático transformou a OMO em alvo nas redes sociais. Alvo de quem está cansado de ver valores familiares sendo grosseiramente ofendidos há tempos por “artistas” e gente da mídia. A página da marca no Facebook está sendo negativada e os posts críticos não param. No Youtube, o vídeo da campanha já conta com milhares de ‘deslikes’!

Há vários vídeos indignados sendo postados em resposta à propaganda ‘nonsense’ e panfletaria do produto neste momento. À seguir publicamos um destes vídeos, onde um rapaz comum fala sobre a péssima propaganda de marketing da empresa e promete fazer o possível para viver sem os produtos da empresa milionária:


Com informações do portal Sempre Familia e Jornal Livre

Imagem: Youtube

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

1 Comentário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook