O cerco a cidade de Jerusalém nos anos 70 D.C e o juízo sobre o Brasil

A tragédia de Jerusalém nos revela a depravação humana. Em situações extremas o ser humano expõe seu estado de queda total. O Brasil passa por um período de extrema corrupção, e o passado tem muito a nos ensinar.

Imagem - ABC
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Pensamos todos os dias que nossa frágil liberdade pode nos proteger dos desastres e das guerras e da violência. São 60 mil pessoas assassinadas por ano neste país. Números que ultrapassa a guerra da Síria. Uma história famosa tem a nos ensinar poderosamente ainda hoje. Sobre o famoso cerco nos anos 70 D.C a cidade de Jerusalém, pelo grande general Tito. Aqui vai um relato marcante dos horrores.

”Serão dias terríveis para as mulheres grávidas e para as que estiverem amamentando”. Mateus 24. 19.
”Quando se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela
e disse: “Se você compreendesse neste dia, sim, você também, o que traz a paz! Mas agora isso está oculto aos seus olhos.
Virão dias em que os seus inimigos construirão trincheiras contra você, e a rodearão e a cercarão de todos os lados.
Também a lançarão por terra, você e os seus filhos. Não deixarão pedra sobre pedra, porque você não reconheceu o tempo em que Deus a visitaria”
.Lucas 19:41-44.

Assine o Blesss
Assine o Blesss

Neste Tempo Roma já dominava todas as cidades da Judeia e agora cercava Jerusalém de modo que impedisse qualquer possibilidade de alimento chegar, além de investir diariamente para entrar com suas legiões. Segundo Flavio Josefo, um milhão e cem mil pessoas morreram de fome e pela espada. O relato do famoso historiador Flávio Josefo e a narrativa histórica de Eusébio de Cesaréia descrevem ricamente em detalhes como essa profecia se cumpriu tão perfeitamente. Depois de ter cercado Jwrusalém, e cortado o abastecimento de águas e o fornecimento de alimentos, Jerusalém entrou em calamidade pública. Vejam a narrativa de uma dessas histórias, o horror pelos dois autores:

”Neste tempo terrível do cerco a Jerusalém como nem os gregos e nem os bárbaros jamais registraram. É horrível de dizer, inacreditável de ouvir. Havia entre os que viviam além do Jordão uma mulher chamada Maria, cujo o pai era Eliézer da vila de Betezor. Ela era famosa por sua família e riqueza e, tendo fugido com o restante para Jerusalém, foi apanhada pelo cerco. Os tiranos já haviam tomado todas as outras posses, tudo que havia juntado e trazido além do Jordão para cidade. Tudo que ela tinha de comida, os malfeitores tomavam e levavam, assaltando-a diariamente. Uma terrível indignação dominou a mulher que praguejava para irritar os malfeitores, os que roubavam. Mas visto que ninguém matava nem de raiva e nem de dó, e ela estava cansada de procurar comida para os outros, e não havendo nenhuma possibilidade de encontrar em algum lugar, a fome entrou na sua alma, tomando um filho, um menino a quem estava amamentado, disse: ”Menino miserável!!!!! Em meio a guerra, fome e rebelião, para que estou te mantendo? Nossa condição sob os romanos, ainda que possamos viver, é a escravidão. Mas mesmo a escravidão é precedida pela fome – vem, sê comida para mim”. Dizendo isso matou o filho, então, cozendo-o, comeu metade e cobrindo o resto, guardou-o. Logo entraram os assassinos e, sentindo o cheiro da execrável iguaria, ameaçavam matá-la de imediato, caso não lhes desse o que preparara. Ela disse a eles que tinha guardado boa parte para eles e descobriu os restos do filho. O horror e o assombro os dominavam na mesma hora. Foram emudecidos pelo que viam. ”Esse é meu próprio filho”, disse ela, e o feito é meu. Comei, pois já comi. Não sejais mais sensíveis que uma mulher ou mais piedosos que uma mãe. Mas se tendes tantos escrúpulos e rejeitais minha oferta, já comi metade e que o resto fique para mim”. Então saíram da casa tremendo,covardes pelo menos nesse caso.”

A condição rebelde dos judeus tem muito a nos ensinar. Apesar de Israel lutar contra um invasor, essa luta se tornou corrupta e desastrosa. Internamente eles se devoravam, não havia unidade entre o povo, por isso Jerusalém caiu diante de um inimigo astuto e poderoso. Uma nação que insiste em ser corrupta ou mesmo uma população que se omite e até mesmo contribui com a corrupção, pode naturalmente ser alvo do juízo Divino. O Brasil está dividido entres aqueles que desejam o bem da nação, e aqueles que acreditam no ”rouba, mas faz”. Portanto, oremos pelo nosso país e a começar por nós, repudiemos a corrupção em qualquer situação do nosso dia a dia. Seja nas filas bancarias, nos negócios, com os impostos e outras atividades que exige transparência, ação e claridade. Se Deus não poupou Israel dos males e dos seus inimigos, não podemos pensar que somos a exceção. Hoje ainda gozamos de uma precária liberdade. Nossas casas estão cada vez mais protegidas com muros altos e cercas elétricas, a violência é endêmica,o povo clama por justiça, mas nossa justiça é leniente e parceira da impunidade. Vivemos um tempo de relativismo moral e enfraquecimento das bases de nossas instituições públicas. O país geme, clama por livramento. Mas só Deus sabe como fazer e a Bíblia nos diz como ele faz: ‘’Deus veio de Temã, o Santo veio do monte Parã. Pausa Sua glória cobriu os céus e seu louvor encheu a terra.
Seu esplendor era como a luz do sol; raios lampejavam de sua mão, onde se escondia o seu poder.
Pragas iam adiante dele; doenças terríveis seguiam os seus passos.’’

Habacuque 3:3-5

Referências Bibliográficas

História de Israel, livro VI – Flávio Josefo – CPAD
História Eclesiástica – Pág 87 – Eusébio de Cesaréia – CPAD

Sola Scriptura

Por Heuring Felix Motta
Colunista da Revista Consciência Cristã

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook