O Feminismo, a Mídia Brasileira e a Onda dos Abusos Sexuais

A Globo começou a noticiar casos sobre abusos sexuais contra mulheres em locais como metrô e ônibus. Recentemente ela noticiou mais dois casos envolvendo as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Os abusos acontecem, fato.

Imagem - Extra Online - Globo
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

As mulheres sofrem neste país, claro, nosso Brasil tem uma constituição cheia de brechas que favorecem o crime. Mas de um modo geral toda população sofre. Os casos de abusos sexuais acontecem neste imenso país. E não estamos aqui para negar, mas para elucidar todo o problema pedindo punição rigorosa e produção de uma consciência coletiva seja quem for, independente do que você pensa, sua religião, sua posição política, se abusar de crianças e mulheres vai para cadeia. Mas não é assim que funciona no Brasil da seletividade. O compromisso do cristianismo é com seu Deus. Cristo nos ensinou a verdade. Se amos a verdade é nosso dever investigar com profundidade um assunto tão sério, grave. Se nós formos displicentes, poderemos cometer injustiças, massa manobrável pela grande mídia, e seremos tão culpados quanto eles em arruinar vidas.

Todos recordamos da história do ajudante de serviços gerais Diego Ferreira de Novais, de 27 anos, foi preso inicialmente por suspeita de ato obsceno contra uma mulher dentro de um ônibus que passava pela Avenida Brigadeiro Luis Antônio – SP. Na delegacia, acabou indiciado por estupro porque foi acusado de esfregar o pênis no ombro da vítima e ainda tentado impedi-la de fugir dele. O que fez a justiça? Soltou o meliante! E o que fez ele em sua liberdade? Tornou a atacar as mulheres, e foi preso novamente. Então foi o estopim para a mídia noticiar como a nova onda do momento. Mas não é! Isso acontece desde de muito tempo no Brasil, e por que só agora a mídia vem noticiar? É importante salientar que a mídia também tem parte na criação destes monstros, ela vem defendendo a ideia de que pedofilia não é crime, ela incentiva a promiscuidade e glamoriza tudo que é erótico em suas telenovelas, séries, matérias em revistas e jornais.

Assine o Blesss
Assine o Blesss

A Globo começou a noticiar casos sobre abusos sexuais contra mulheres em locais como metrô e ônibus. Recentemente ela noticiou mais dois casos envolvendo indivíduos das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Os abusos acontecem, fato. Mas a grande preocupação é que isso se torne um gatilho poderoso para os movimentos ideológicos, e claro, a Globo sabe muito bem usar de eufemismos e fazer o público caçar os ”bruxos”. Na realidade sua agenda está em harmonia com o movimento feminista. Na campanha das eleições americanas de 2016, a Globo entrou na onda de imputar machismo na figura de Donald Trump através de algumas falas do Trump fora do contexto, propositalmente para incendiar o público com ódio ao opositor de Hillary Clinton. O problema é exatamente a seletividade desonesta e parcial da emissora, já que Bill Clinton se envolveu em assédio sexual e também num dos maiores escândalos sexuais da história da Casa Branca. Fora da presidência ele foi acusado de estupro por sete mulheres e condenado num caso que o fez pagar uma gorda indenização, além de perder seu registro de advogado. Isso a Globo não falou, não mostrou. Mas a mídia americana ( especialmente as rádios que tem grande audiência) expôs a hipocrisia, e isso resultou num dos motivos que derrotou a candidata dos democratas.

O caso Feliciano

Aqui no Brasil aconteceu uma denuncia de assédio que envolvia o deputado Marcos Feliciano e uma jovem jornalista e estudante de direito Patrícia Lélis, de 22 anos. Ela acusava o deputado de assédio sexual, mas no final ficou provado que sua história não era coerente. Segundo informou a G1 ela foi indiciada pela Polícia Civil de São Paulo por suspeita de denunciação caluniosa e extorsão, de acordo com o delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 3º Distrito Policial (DP), Santa Ifigênia. Este assunto nas mãos de uma psicopata ou de quem está a serviço da ideologia – ou para quem deseja assassinar reputações, é um coquetel molotov que acaba com a vida de um pai de família, de um trabalhador honesto, de um homem de bem.

O caso Sheherazede

Claro, os casos são particularmente pesquisados e usados para um propósito específico. A denuncia sempre é de uma pessoa desconhecida do público para não enfatizar ou dar margem a qualquer coisa que elogie o divergente. Um bom exemplo para esclarecer essa ideia, foi a jornalista Rachel Sheherazade. Por ter posições contra o feminismo e o esquerdismo, foi atacada nas rede sociais por um professor, escritor famoso, chamado Paulo Ghiraldelli. Veja:

A G1 se pronunciou sobre o caso da jornalista? E a mídia em geral? O movimento feminista foi na porta do Ghiraldelli para chamá-lo de machista e propagador de estupro? Não! Silêncio total. Quando se trata da esquerda é bom sempre relembrar as palavras de Hebert Marcuse: ”Tolerância para qualquer coisa da esquerda, e intolerância para qualquer coisa da direita”. Isso é a prova inconteste de que eles são seletivos. Só notificam casos que favorecem à agenda feminista!

Observa-se constantemente dentro das mídias que engendram a reengenharia social,depoimentos,replicados em compartilhamentos à exaustão, de mulheres que foram abusadas/ assediadas/ estupradas. Tais mulheres,em sua maioria,apresentam discurso entremeados de clichês e ideias chaves recheadas dos termos que fazem parte do vocabulário de terminologias da agenda progressista. O fato é que elas publicam “textões” em seus perfis os quais são pinçados por páginas e blogs que disseminam tal reengenharia,adquirindo, assim,grande número de leitores.

Recentemente uma mulher relatou ter sido abusada por um motorista de Uber, mais recente ainda, em uma página de grande revista feminina,outra relata ter sido estuprada por um homem que conheceu em um aplicativo de encontros.

Tomemos estes dois casos mais recentes para ilustrar três pontos em comum encontrados em tais relatos que fervilham em redes sociais ultimamente:

1- Negligência e relativismo diante de situações de perigo em nome de um discurso politicamente correto: Ninguém deve menosprezar conselhos e observações que passam de geração em geração,e que nos ajudam a nos defender e perpetuar nossa existência. Ser prudente parece não combinar com ser “empoderada” e no afã de proteger as mulheres com um discurso panfletário,acabam expondo as mesmas a vários tipos de perigos. Não,ninguém deve pegar um táxi / Uber de madrugada sozinha e embriagada. Isto vale para homens e mulheres. A pessoa está vulnerável sóbria e com o agravante de estar fora de si, fica totalmente entregue aos perigos da cidade. Nunca se deve fazer isso, isso não é empoderamento ,é falta de noção. Como posso conhecer uma pessoa através da tela de um computador,sem saber se seu nome não é fictício ,sua foto não é fake e quais as intenções? E pior: como posso marcar o primeiro encontro com esta pessoa em meu apartamento,em minha cama? Será que os adultos que se rendem a estes discursos chegaram a um nível tamanho de infantilidade que será necessário regredir para conceitos,como: ” não abra a porta para estranhos,não fale com estranhos”e etc? São características observadas em ambos os casos citados.

2- Conclame às mulheres para que não façam denúncia formal nos meios legais: esta talvez seja a mais nociva e estranha de todas,pois impede a real identificação do agressor e a consequente tomada real de medidas punitivas. Segundo as vítimas dos dois casos,nenhuma mulher precisa ” se expor ao constrangimento de ir a uma delegacia totalmente despreparada para recebê-las neste momento tão crítico”. O discurso é em parte ecoado e aceito,por sabermos das deficiências do nosso sistema e que,realmente ,em alguns casos é a realidade com que as mulheres podem vir a se deparar. Mas tal realidade tem mudado em muitos lugares e infelizmente é o único meio de almejarmos punição para quem pratica tão torpe brutalidade. Na ausência de exame físico e registro de boletim de ocorrência além da falta de identificação do agressor,como o mesmo será punido? Outra pergunta relevante: não ir à delegacia para não se expor à constrangimento e publicar um texto enorme em seu perfil pessoal ,com foto e rosto contando os pormenores do delito que praticaram contra ela mesma? O constrangimento fica bem menor assim?

3 – Anonimato do agressor : o caso se desenrola a partir de um relato bem dramático de uma situação abominável. Porém o agressor não tem nome,nem rosto, nem qualquer identificação. É generalizado,coletivizado : um motorista de Uber , um usuário de aplicativo de encontros e etc. A quem interessa denunciar uma agressão onde não é feito registro e nem há identificação do agressor? Ainda que o mesmo tenha sido convidado a vir a minha casa ,eu não tenho nome,foto real,endereço? Nem sequer amigos/conhecidos em comum? Como as mulheres serão efetivamente protegidas se ninguém denunciar formalmente?

Que todos os casos de abuso/ estupro contra mulheres sejam apurados e punidos. Que estes dois casos especificamente possam ser elucidados. A certeza da impunidade é o combustível para o aumento da incidência de qualquer crime. Que Deus tenha misericórdia das mulheres,as proteja e as capacite com discernimento.

A história do Alan

Alan Wenceslau foi preso na tarde de 29 de maio acusado de estuprar uma menina de 14 anos na saída de uma escola de Planaltina. De acordo com o Sindicato dos Policiais Civil do DF (Sinpol), os investigadores desconfiaram da versão da adolescente e realizaram várias diligências, oitivas de testemunhas, checagem de câmeras de segurança, percurso da vítima e do acusado e tempo de deslocamento. Com isso, os investigadores descobriram a farsa. A adolescente responderá por ato infracional análogo ao crime de denunciação caluniosa. Se nada fosse feito Alan poderia responder injustamente por estupro de vulnerável. A pena é de 8 a 15 anos de reclusão. Fonte: Correio Brasiliense.

A história de um homem que foi acusado falsamente por sua ex-namorada

Segundo a G1 Um homem foi preso injustamente por estupro em Mato Grosso do Sul, entrou com uma ação por danos morais contra a mulher que fez a falsa acusação. Ele quer R$ 100 mil em indenizações. Na audiência de conciliação entre as partes, nesta quarta-feira (8), no Fórum de Dourados, não teve acordo.
Acusado pela ex-namorada de estupro, ele ficou preso 37 dias. “Tive várias ameaças de morte por outros presos. Sofri retaliação, a minha família também. Está sendo muito difícil até para arrumar serviço”, disse.
O homem foi acusado de ter cometido o estupro, em abril do ano passado, na biblioteca da Universidade da Grande Dourados (UFGD), o que causou revolta e comoção de acadêmicos e professores na época. No entanto, o inquérito da Polícia Civil concluiu que não houve crime. Segundo a polícia, a mulher disse que na verdade teria tido relações sexuais naquele dia com um outro homem, que era casado e por isso teria decidido mentir para a família.

Só que, por ausência de provas, a polícia decidiu não indiciá-lo. Mas de que adianta? Ele já foi julgado como culpado pelos colegas de trabalho, família e amigos. Acreditamos que realmente acontece abusos e estupros, o grande problema é a caça aos bruxos, impulsionar o sentimento de ódio para forçar a sociedade a pensar ideologicamente e exigir que se crie leis a base do ressentimento, do desejo raivoso com a finalidade de culpar de forma abstrata ‘’a tal sociedade patriarcal e opressora que abusa de mulheres e crianças’’. Sim, muitos casos são circenses, áreas de apedrejamentos com o apoio nefasto da grande mídia.

O caso Wellington

Vejo como exemplo, a crueldade praticada contra Wellington Monteiro, segurança falsamente acusado de estupro (ele é inocente até que se prove o contrário, e parece que isso vai ser difícil) durante o reveillon e denunciado por toda uma mídia de extrema-esquerda. O sadismo dessa mídia chegou a tal ponto que eles fizeram julgamentos sumários, que aniquilaram sua carreira e colocaram sua vida em risco.

Imagem - Ceticismo

o que diz Wellington, em palavras capazes de revoltar qualquer ser humano empático: ”Foram quase 02 meses de pesadelo. Porém, confiei na justiça, pois sabia que ela viria. A Delegacia da Mulher confirmou o que eu sempre disse: a verdade. A verdade apareceu e agora posso respirar aliviado, embora o pesadelo não tenha chegado ao fim. Espero que meu caso sirva de exemplo para que outras falsas acusações não destruam vidas como assim fizeram com a minha. Perdi todos os contratos de minha empresa, minha família foi devastada, recebi ameaças de morte, fui condenado nas redes sociais, supostos especialistas sem a devida cautela me acusaram injustamente, pessoas me perseguiram, tive que me ausentar do convívio com meus filhos, deputados me acusaram de estupro, mancharam minha imagem pra todo o país, me acusaram de estupro sem que ao menos o Inquérito Policial tivesse sido concluído, o Sindicato da categoria absurdamente lançou Nota de Repúdio me rotulando como estuprador, muitos me julgaram sem saber o que de fato aconteceu. Neste tempo, minha vida virou um grande inferno. Assim pergunto: o que será de mim agora? Quem vai pagar a conta? E agora?Agradeço as pessoas que estiverem ao meu lado nesse momento difícil, aos meus advogados que sempre confiaram em mim: Escritório do Kolbe Advogados Associados, Dr. Ivan Morais Ribeiro e Dr. Paulo Henrique Abreu. Obrigado por tudo.#SempreFuiInocente.”

”Mexeu com uma mexeu com todas”

Infelizmente a filosofia dos artistas globais é uma hipocrisia, pois visa somente uma agenda, relativizar as leis em detrimento de novas leis criadas no sentimento, nas emoções e no ódio. Quando convém, o homem patriarcal serve de bode expiatório…mas só quando convém! Na realidade a Globo se define com uma palavra: DESINFORMAÇÃO. Desliguem a TV!

Por Aracy Castelo Branco Coelho
Formada em Letras pela Universidade Federal do Piauí
Pós-Graduada em Linguagem

Por Heuring Felix Motta
Colunista da Revista Consciência Cristã

Fontes:

1-correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/06/03/interna_cidadesdf,599915/acusado-de-estupro-e-solto-apos-jovem-admitir-que-mentiu-sobre-o-crime.shtml

2-g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2017/02/preso-injustamente-por-estupro-pede-indenizacao-de-r-100-mil-em-ms.html

3-ceticismopolitico.com/2016/02/14/feminismo-em-acao-falsa-acusacao-de-estupro-destroi-a-vida-de-um-homem-inocente/

4-g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2016/08/jornalista-sera-indiciada-por-caluniar-e-extorquir-assessor-de-feliciano.html

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

1 Comentário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentários do Facebook